Somos Todos Amazonas conecta projetos de impacto e apoiadores para desenvolver o estado

Iniciativa quer mostrar potencial do Amazonas em tecnologia, pesquisa, inovação e bioeconomia

Uma escola de negócios da Floresta Amazônica, o Polo Digital de Manaus e a conhecida Zona Franca, educação financeira em comunidades remotas, inclusão digital indígena e combate à violência contra a mulher no Amazonas. Apresentar ao Brasil e ao mundo projetos exemplares de impacto socioambiental nos campos científico, tecnológico e bioeconômico no estado é o desafio do Somos Todos Amazonas.

Criada em 2020, a iniciativa conecta apoiadores a entidades de excelência com ações alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. O Somos Todos Amazonas pretende mostrar que, além da Floresta Amazônica, o estado abriga polos tecnológicos, pesquisa e inovação, universidades e profissionais qualificados para desenvolver a região e o país.

“Somos uma empresa de impacto socioambiental. Os projetos escolhidos passam por critérios alinhados aos ODS, à biotecnologia e à ideia de floresta em pé”, explica Luciana Caran, diretora-executiva do Somos Todos Amazonas. Luciana também destaca que, para crescimento do projeto, é importante levar em consideração a alta capacidade tecnológica e o desenvolvimento da mesma através da Zona Franca de Manaus.

A empresa surgiu do sonho da amazonense Tatiane Simão de criar mecanismos para contribuir para o desenvolvimento e o crescimento de seu estado natal. “É o projeto da minha vida”, diz Tatiane.

Após identificar iniciativas bem-sucedidas e fazer a ponte com financiadores, o Somos Todos Amazonas quer dar visibilidade, desenvolver e fortalecer as instituições e organizações regionais. Entre os selecionados estão entidades como o Instituto Descarte Correto – que repensa o despojo do lixo eletrônico -, o Idesam, uma das 100 melhores ONGs do Brasil, e o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico (INDT), que gere a Rainforest Social Business School, a primeira escola de negócios da Floresta Amazônica.

A partir da articulação entre o setor privado e o terceiro setor, o Somos Todos Amazonas traz recursos para negócios de impacto regional e beneficia ações sustentáveis locais. “Sustentabilidade é um tripé: tem o pé ambiental, o financeiro e o social. Trabalhamos esses três pilares de maneira harmônica, sempre com foco na economia circular”, disse Luciana. Ela completa explicando que todo esse desenvolvimento é pensado levando em conta um cuidado com o valor cultural do amazonense, que será resguardado através da preservação de suas sabedorias milenares.

A ideia, explica a diretora executiva, é “pensar no futuro da gerações, sem esquecer as sabedorias do passado”. “Procuramos projetos com esse perfil. Proteger a floresta junto a novas tecnologias. Um exemplo é a biomimética, uma das ciências que compõem a economia circular, sendo essa a ciência que imita a natureza. Isso é fundamental no nosso projeto: essas ciências que estão voltando. É como pensar em compostagem, uma sabedoria antiga”, afirmou.

Foto: Mário Oliveira